Blog 

Evitando o Abandono de Animais na cidade de ITU SP

O CASTRAMÓVEL vai ajudar a diminuir a quantidade de Animais sofrendo na rua e abandonados.

Nos ajude com este objetivo.

Faça  a doação qualquer quantia  que possa fazer mas faça no site Kickante 

Você tem o poder de mudar a realidade do abandono



A relação do homem com animais de estimação remonta de cerca de 10 mil anos atrás. Cães e gatos são os animais que mais preenchem as necessidades físicas e emocionais dos seres humanos, e vêm gradativamente encontrando seu lugar dentro dos núcleos familiares. Os pets costumam encher a casa de alegrias, encantam-nos com suas travessuras, são fofos, lindos, pequeninos e gostosos de apertar. Porém, também dão trabalho, gastos e alguns incômodos às vezes. Exigem tempo disponível, rações de boa qualidade, fazem xixi pela casa toda, precisam ser educados, adestrados, levados para passear e necessitam acompanhamento veterinário periódico. Muitas vezes crescem mais do que o previsto ou seu temperamento não é exatamente o esperado. Por estes motivos, muitos cães e gatos, mesmos fofinhos e travessos, acabam abandonados por seus guardiões, que não têm a mínima estrutura física ou psicológica para mantê-los. Isto acaba trazendo (e agravando) um dos maiores problemas que vivenciamos em relação a animais de estimação atualmente: o abandono e os maus tratos.

A situação dos animais de rua no Brasil está cada vez mais delicada, e representa hoje um problema de saúde pública. Cães e gatos sujos, magros, famintos e doentes, muitas vezes invisíveis aos olhos da sociedade, reviram o lixo atrás de comida, transmitem doenças, vivem no relento sob o sol forte ou o frio intenso. São maltratados e rejeitados até que finalmente são recolhidos e encaminhados aos Centros de Controle de Zoonoses (CCZs), onde são, na maioria das vezes, sacrificados. Os CCZs representam então, outra cena triste desta história. Funcionando como depósitos superlotados, recebem animais de todos os tamanhos e raças, muitos deles cães e gatos que foram abandonados por quem um dia já lhes prometeu amor e proteção. Estima-se que, de 10 animais abandonados, 8 já tiveram um lar. São animais que, por um motivo ou outro, foram rejeitados, não superaram as expectativas de seus “donos” e por isso, foram descartados. Cresceram demais, adoeceram, não foram educados o suficiente, geraram gastos e aborrecimentos.

Mas a questão é: porque os animais acabam abandonados nas ruas e nos centros de controles de zoonoses? O que leva as pessoas a se desfazerem de seus pets, sobre os quais depositaram tantas expectativas e juraram amar para sempre? Creio que os motivos sejam muitos, mas o principal deles: a grande falta de conhecimento das pessoas acerca do que representa de fato ter um animal em casa. Quando adquirimos um animal de estimação, seja ele da espécie que for, estabelecemos com ele um vínculo poderoso, e devemos estar preparados para uma relação duradoura de talvez, 15 a 20 anos. Durante este tempo, devemos arcar com uma série de responsabilidades para com o nosso animal que inclui, por exemplo, educá-lo e protegê-lo apesar de tudo. Devemos ter em mente que cães crescem, e podem se transformar de filhotinhos fofos e inofensivos à enormes, enlouquecidos e potenciais destruidores de plantas, casas e jardins. Devemos pensar também que nosso cão ou gato nem sempre terá o temperamento que desejamos. Muitas vezes eles são anti-sociais e ariscos, brigam, mordem e arranham, nos tiram a paciência com seus latidos insistentes, fazem “xixi” fora do lugar o tempo todo, aparentemente tentando nos enlouquecer. Em função disso, muitas pessoas não conseguem entender a real responsabilidade de ter um animal. Tratam seus animais como objetos, se desfazendo deles diante do primeiro obstáculo. Ouvi de um professor há alguns dias atrás que “animais são tudo na vida de alguém até que comecem a causar problemas.” Sim, é a verdade. O animal é tudo na vida de muitos donos, até que adoeça; até que comece a latir demais; até que morda alguém. A partir daí, passa a ser um problema, e como todo problema, tende a ser dispensado.

Outra atitude que normalmente acaba em abandono é a compra de animais por impulso, principalmente nas famosas feirinhas de filhotes ou pet shops. Os “maravilhosos” Pet Shops, com seus filhotes fofos e macios e ainda por cima por um precinho bem “camarada”, exercem fascínio sobre adultos e crianças, que acabam cedendo aos encantos dos pequenos. Assim, cães e gatos vão parar nas casas de milhões de brasileiros, enfeitados como presentes de Natal, Páscoa ou aniversário, como se fossem brinquedos bem elaborados. Porém, muita gente não sabe o que está por trás desse comércio abominável de animais. Filhotes vendidos em Pets Shops e feirinhas normalmente são provenientes de criações de fundo de quintal, ou seja, são animais sem o mínimo controle genético e que possivelmente darão muitas dores de cabeça aos seus guardiões. São animais cruzados indiscriminadamente por pessoas que se dizem criadores, mas que não passam de cachorreiros visando lucro à custa da exploração de cães e gatos. São filhotes que, diferentemente dos provenientes de criadores sérios, não recebem vacinas adequadas, estando sujeitos à diversas doenças infecto contagiosas. Não recebem ração de boa qualidade, o que prejudica seu desenvolvimento tanto físico quanto psicológico. Não possuem controle genético, podendo vir a apresentar doenças degenerativas ao longo de sua vida, trazendo dor e sofrimento tanto para o animal quanto para seu guardião. São desmamados precocemente e vendidos antes de completarem dois meses de idade, o que trás sérios problemas comportamentais e de socialização. Normalmente são produtos de cruzamentos consangüíneos, o que afeta seu temperamento, originando filhotes totalmente fora do padrão, agressivos, medrosos e anti-sociais. Por fim, a grande maioria não passa de lindos Vira-Latas “disfarçados” de Poodles, Lhasas, Shi-Tzus, Yorkshires, Labradores, Persas, Siameses, e tantas outras raças, o que acaba gerando insatisfação aos donos, que abandonam os animais por descobrirem que não era aquilo o que esperavam deles.

Outro fator que contribui em grande parte pelo imenso número de cães e gatos abandonados é a reprodução indiscriminada desses animais, muitas vezes intermediada pelos próprios guardiões. Este problema poderia ser facilmente minimizado se as pessoas aceitassem castrar seus cães e gatos de companhia. Mas não é tão simples assim. Muitas pessoas ainda têm resistência acerca deste procedimento por desconhecerem seus inúmeros benefícios ou por acreditarem que o animal castrado sofre, é mutilado, engorda, tem alterações comportamentais, necessita cruzar pelo menos uma vez durante sua vida entre outros mitos. Sendo assim, colocam seus animais para cruzar sem nenhum critério e acabam originando várias ninhadas de filhotes fofos, mas que depois de desmamarem lutam por um lar que os acolha com amor e responsabilidade. Muitos não conseguem o sonhado lar, e acabam abandonados pelas ruas. E quando conseguem, raramente são doados castrados e muitas vezes são vendidos, constituindo verdadeiras “fábricas de filhotes” que alimentam ainda mais o comércio de animais de “fundo de quintal”. A castração destes animais e dos filhotes antes de doar ajudaria não somente em relação à prenhêz indesejável e abandono, mas evitaria que vários problemas fossem passados de geração para geração, uma vez que estas cruzas são feitas sem o menor controle genético. Além disso, a castração traria inúmeros benefícios para a saúde dos animais. Para as fêmeas, o risco de tumores de ovários e útero cai para 0%, assim como risco de piometria (infecção uterina que pode levar à morte, e cujo tratamento emergencial é cirúrgico). O risco de câncer de mama tem uma redução significativa, principalmente se a castração for realizada antes do primeiro cio. O próprio cio não mais existirá, bem como problemas hormonais e comportamentais, como a pseudosciese (gravidez psicológica). Os machos tornam-se mais calmos e não demarcam território, principalmente quando castrados antes de alcançar a maturidade sexual. Os riscos de tumores de testículo caem para 0 % e riscos de problemas prostáticos diminuem significativamente.

Como podemos ver então, as soluções para minimizar a questão do abandono de animais existem e são possíveis, embora ainda com certa dificuldade, de serem implementadas na prática. A conscientização da população acerca da guarda responsável de animais domésticos seria o primeiro passo. Políticas governamentais, públicas e privadas que vissem a castração como medida efetiva para o controle populacional de cães e gatos, educando crianças, jovens, adultos e idosos em relação à responsabilidade de ter um animal e zelar por sua segurança durante toda a sua vida. Orientar quanto aos riscos da compra de filhotes em feiras de animais e pet shops, com estímulo à adoção  através de campanhas de doação, ou então orientando a compra apenas de animais de ótima procedência vindos de criadores sérios que se preocupam com genética e estudo da raça. Realizar campanhas de castração em massa a baixo custo, estimulando a adesão da população e mostrando os efeitos benéficos deste procedimento nos cães e gatos e evitando assim cruzas acidentais e totalmente desnecessárias e a proliferação indiscriminada de mais animais, bem como a transmissão hereditária de doenças de cunho genético.

Todas estas medidas trariam resultados à curto, médio e longo prazo, com diminuição visível do número de animais maltratados e abandonados, recolhidos em CCZs e abrigos, assim como redução dos índices de zoonoses por eles transmitidas. Trariam benefícios imediatos à milhares de cães e gatos que sofrem diariamente com os maus tratos e a triste vida nas ruas, provendo à eles um lar saudável, com carinho, segurança e proteção. Por fim, não deixariam de beneficiar todas as pessoas que, direta ou indiretamente, estivessem envolvidas nesse processo de contribuir para retirar um animal das ruas e fazê-lo feliz para sempre. Pois ao adotarmos um animal, não ganhamos apenas aquela sensação indescritível de dever cumprido, mas também um companheiro leal e carinhoso que nos protegerá sempre. Um amigo de verdade que nos trará felicidade e nos dará o privilégio de sermos amados incondicionalmente, nos transformando em pessoas melhores e ainda mais humanas.

Animais de estimação

Escolhendo um animal de estimação

Pet Shop      domingo, 13 de novembro de 2016

ebook como escolher um cão

Este ebook sera importante para fornecer-lhe tudo o que você precisa saber para ser um sucesso e alcançar seu objetivo de obter o melhor cão para sua família.Neste Livro, Você Aprenderá: - Escolhendo um cão básico - Utilize o seu Conhecimento Vets

Pet Shop      sexta-feira, 31 de março de 2017

CONTINUAÇÃO EBOOK

Contrary to popular belief, Lorem Ipsum is not simply random text. It has roots in a piece of classical Latin literature from 45 BC, making it over 2000 years old.

Pet Shop      quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Article example 4

Contrary to popular belief, Lorem Ipsum is not simply random text. It has roots in a piece of classical Latin literature from 45 BC, making it over 2000 years old.

Pet Shop      quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Article example 5

Contrary to popular belief, Lorem Ipsum is not simply random text. It has roots in a piece of classical Latin literature from 45 BC, making it over 2000 years old.

Pet Shop      terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Article example 6

Contrary to popular belief, Lorem Ipsum is not simply random text. It has roots in a piece of classical Latin literature from 45 BC, making it over 2000 years old.

Pet Shop      terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Como escolher um Cão

Como escolher um cão

Thais Wahl      domingo, 13 de novembro de 2016

Gatos

Como escolher um gato e seus cuidados

Thais Wahl      sexta-feira, 31 de março de 2017

Como ganhar dinheiro com animais de estimação

Como ganhar dinheiro com animais de estimação

Thais Wahl      quinta-feira, 17 de novembro de 2016

 Articles 2016

.

.